Sobre o programa

No Nordeste, o Programa Klabin Caiubi desembarcou nas escolas de Feira de Santana, no Centro-Norte baiano. O município é o primeiro, entre aqueles que possuem fábricas de Papelão Ondulado da Klabin, a receber a iniciativa. Fiel ao princípio de eleger temas relevantes para a realidade local, o programa de Feira abordou a gestão de resíduos sólidos como o primeiro a ser tratado junto aos professores. 

Abrangência

Atualmente, os projetos são desenvolvidos nas escolas municipais Monsenhor Jessé Torres Cunha e Professora Josenita Nery Boaventura. Ambas ficam próximas à fábrica da Klabin e estão localizadas em áreas que merecem atenção especial devido à vulnerabilidade social. 

Como funciona

O Programa Klabin Caiubi na Bahia ocorre anualmente, entre os meses de março e dezembro. Assim como nos demais estados, as atividades ocorrem em três etapas. A primeira consiste na capacitação e formação dos professores. Neste momento, a Klabin proporciona momentos teóricos e práticos para ajudar o professor a visualizar as possíveis ações a serem desenvolvidas com os alunos. A segunda etapa consiste no desenvolvimento dos projetos com os estudantes das escolas participantes. Já na terceira etapa, os alunos apresentarem aos pais, à comunidade escolar, aos colaboradores da Klabin e aos membros da Secretaria de Educação e Prefeitura os projetos desenvolvidos ao longo do ano. 

Diferenciais

O diferencial do Programa Klabin Caiubi em Feira de Santana é a especificidade. A iniciativa está sendo criada a partir de uma metodologia padrão e consolidada, mas com temáticas atuais, modernas e regionais, como a produção de cordéis por alunos e professores. Além disso, o Programa abrange não só questões do dia a dia da comunidade escolar, mas também aspectos discutidos atualmente nas mídias sociais, favorecendo ainda mais o aprendizado e a conscientização.

Resultados

  • 1 edição realizada;
  • 40 educadores capacitados;
  • 2 escolas atendidas;
  • 845 estudantes beneficiados.

Depoimentos

“O Programa Caiubi contribuiu para que as crianças e a comunidade compreendessem a importância da conscientização ambiental. Nos surpreendemos com o envolvimento dos estudantes e suas famílias, que vivem em um bairro de grande vulnerabilidade social. A percepção dos alunos mudou: um terreno baldio cheio de lixo, que antes era visto com naturalidade, passou a ser espantoso. Fizemos oficinas de reaproveitamento com os pais, ensinando, por exemplo, a fabricar sabão a partir de óleo usado, oferecendo uma oportunidade de renda extra. Com o Caiubi, nós, professores, nos sentimos mobilizados a transformar a realidade da comunidade”.

Ayllanne Mércia Santos Miranda
Vice-diretora da Escola Municipal Professora Josenita Nery Boaventura, em Feira de Santana (BA).

“Vemos menos lixo nas ruas e materiais recicláveis sendo aproveitados. No ambiente escolar, tivemos a criação de um jardim e plantio de mudas. Além de qualificar o currículo, o Programa dá um ar de festa à escola. Os alunos ficam empolgados em mostrar o que estão produzindo, se sentem importantes por terem sido os primeiros a receber o Programa em Feira de Santana. Isso eleva a estima deles”.

Joelma Soltinho Alves
Vice-diretora da Escola Monsenhor Jessé Torres, em Feira de Santana (BA).